Tuesday, February 16, 2010

Ando a trabalhar pouco. Não estou a produzir como produzia. Não pode ser. Sou um trabalhador da palavra. E o café está deserto. Tenho de produzir para o mundo.

2 comments:

António Ferra said...

Obrigado pela transcrição do meu poema "o call center da minha prima". Quanto ao trabalhar pouco, a minha experiência diz-me que por vezes é preciso descansar ou até parar. Isto de trabalhar com palavras não é propriamente o serviço regular de um "call center"...
Saudações do António Ferra

apedroribeiro said...

obrigado, meu amigo poeta.