Friday, January 14, 2011


Há muito tempo que não vou ao Pinguim. Tenho de viver a minha vida. Tenho de recuperar a alma. Hoje estou em baixo. Há já algum tempo que não me sentia assim. Tenho de voltar ao palco. O ano já começou. É sempre a luta de acreditar ou não em mim. De raramente me sentir completo, de estar sempre a construir-me. Sou o homem em construção. Mas ás vezes caio. Haverá sempre esse lado desajeitado, esse homem tímido que não se integra, esse homem que precisa do palco como de pão para a boca. Para voltar a ser o "animal de palco", como dizem. Sempre este estar entre a glória e o fracasso, sempre estas quedas. E depois o país a arder. E, de novo, a chama a acender. Mesmo neste ser apático. Que às vezes parece esquecer-se dos nomes. Já não tem a memória prodigiosa de outrora. Começa a ficar farto de escrever sobre si mesmo. Falta-lhe o àlcool, sem dúvida. Contudo, é certo que tem perseguido o bem. Que tem sido, aparte certas provocações, um homem de bem, ao lado da Gotucha. Mas começa a ficar farto de escrever sobre si próprio. Lê muito, passa a vida a ler. Livros, jornais, revistas.

4 comments:

Claudia Sousa Dias said...

aquelas mamas de borracha vão explodir a qualquer momento.

Rapaz said...
This comment has been removed by the author.
Rapaz said...

Pedro, entre os homens, és um à mesma proporção dessas mamas.

Abraço, Francisco

Claudia Sousa Dias said...

:-D

penso que sim...

;-)