Sunday, November 2, 2008

A DITADURA DO ECONÓMICO


Vivemos sob a ditadura do económico, do mercantil. Tudo se reduz à linguagem do compra e vende, do orçamento, das contas. (Interrompo a tese para olhar para o cu da vizinha). É tão pobre, tão mesquinha a linguagem do económico. Não sou um número! Não sou uma conta! Não sou um orçamento! Não sou uma mercadoria! Merda! Sou um homem! Sou um homem que sente e que pensa. Sou um homem que olha para as mulheres e que as deseja. Não me venham quantificar esta merda! Não estou cotado na bolsa. Não estou no mercado. Afastai-vos de mim, ó economistas! Tirai de mim as vossas manápulas! De mim não levais nada! Sou um homem! Não sou uma nota nem um cartão multibanco! Não sou uma conta bancária! Não sou aquilo que quereis que eu seja. Sou livre! Sou absolutamente livre.

2 comments:

Claudia Sousa Dias said...

:-)

Chelsea said...

concordo! de nada adianta uma pseudo liberdade que é produto do capital