Monday, September 15, 2008

GOMES LEAL E JOSÉ GOMES FERREIRA


GOMES LEAL

I
(Lápide para colocar no largo onde o
grande poeta Gomes Leal foi apedrejado
pelos garotos de Lisboa)

Aqui,
onde passaram rodas e enterros,
olhos e ventos...
(E urinaram os perros
nos excrementos...)

Aqui,
onde a mesma andorinha
repete há séculos a mesma primavera de realejo...
(E cai uma chuva miudinha
nas manhãs de bocejo...)

Aqui,
onde os trens e as bestas
arrancaram estrelas com os cascos...

Foi aqui
que tombou o Príncipe das Horas Funestas
num suor de chascos.

Sim, foi aqui que te viram rolar na sarjeta,
apedrejado na alma pelos garotos.
(A chorar, a chorar, com alegria secreta
dos anjos bebados nos esgotos.)

E a tua sombra ficou para sempre no chão,
incrívelmente branca,
que nenhum espectro, nenhum vento, nenhum braço sem mão
apaga ou arranca.

Impregnou-se de lágrimas no solo
e aqui ficou na pedra onde caíste
__tu, poeta, que trazias no olhar meninos ao colo
e na voz um fantasma de lança em riste.

Tu que foste católico, jacobino e ateu
só para enfeitar de lua e bebedeiras
o teu instinto de querer rasgar o Véu
que esconde nas rosas as caveiras.

Ah! esse Véu, esse Véu maldito,
que todos os poetas, mesmo sem pensarem nele,
sentem na imprecisão de cada grito
e no calafrio da pele.

Esse Véu, esse Véu que o tédio solda
às mãos, à cara e às fazendas...
E pouco a pouco nos amolda
a este mundo de cárcere sem fendas.

Mas tu não te resignaste e quiseste rompê-lo
de pé, de joelhos, de bruços,
com lágrimas de cutelo
e punhais de soluços.

Tudo em vão, poeta tudo em vão !
Ninguém pode talvez rasgar este Véu maldito que oculta e desvenda
o esqueleto de silêncio em fogo que nos ilumina !

A cada rasgão,
a cada nova senda,
aberta às unhadas na solidão,
sobe sempre do chão
mais neblina
num sufocar de vala
na escuridão...

E depois outra cortina !
Sempre outra cortina !

(Eh ! Poetas: vamos nós rasgá-la ?)



II

(Grito de Gomes Leal no céu:)

«Cansado de dormir no basalto,
morri e meteram-me numa nuvem de elevador.
E agora cá estou no céu alto
com uma estrela ao peito em vez de flor.

Mas qualquer dia dou um salto.
(Ou peço a um anjo que me transporte
para não quebrar as pernas.)

Estou farto de céu e quero mundo ! Quero morte !
Quero dor ! Quero tabernas !»

José Gomes Ferreira
N 9.7.1900 F 8.2.1984


posted by DE-PROPOSITO at 9:30 AM
http://de-proposito.blogspot.com

2 comments:

Claudia Sousa Dias said...

:-(

é caso para dizer:

"Perdoai-lhes Domine..."

...porque eu não sou capaz!!!

CSD

PS: Há coisas em que não apetece nada dar a outra face.

apedroribeiro said...

dou a outra face e digo que estou caído por ti.