Tuesday, September 16, 2008

JIM MORRISON



Depois destes anos todos chego à conclusão que é com Jim Morrison que me identifico mais. Sucessor e leitor dos beatnicks, Morrison já dizia que "se a minha poesia pretende atingir alguma coisa, é libertar as pessoas dos limites em que se encontram e que sentem". Jim foi um revolucionário mas não um revolucionário tradicional. O poeta dos Doors apelou para o caos, não tinha uma cartilha pré-definida, não tinha de estar sempre lúcido nem de se portar sempre bem. Apelou para o caos porque entendia que era esse o caminho para a luz, para a liberdade. Deu ao rock a dimensão teatral. Era um xamã, aquele que entrava em contacto com os deuses e com a loucura. Não se contentava em cantar a paz e o amor como os hippies. Achava-os ingénuos. Queria chegar lá mas achava que tínhamos de atravessar o caos, "atravessar para o outro lado". Percorreu a estrada do excesso para alcançar a sabedoria, como indicou William Blake. Quis ultrapassar os limites. Entendia que a vida não se resume a uma fórmula única e irreversível, ao ganhar dinheiro. Revoltou-se contra a autoridade, contra a polícia. Foi um espírito livre, um menino e um bailarino no sentido nietzscheano.

3 comments:

Claudia Sousa Dias said...

Mas não te esqueças que ele só podia dar-se a esse luxo porque ganhava muito dinheiro com isso...

caso contrário não sobreviveria para publicar e divulgar o que criava...ou na melhor das hipóteses acontecer-lhe-ia o mesmo que a Sebastião Alba...


CSD

apedroribeiro said...

é verdade, é um facto. O Léo Ferré também era rico. Mas devemos dizer e fazer o que pensamos ou o que sentimos até ao fim.

apedroribeiro said...

dá-me o teu mail.